Journal

Pensamentos livres e soltos, anotados em um bloco de papel. Taiana Homobono e Thaís Braga não perdem o timing, não perdem a ideia. Escrevem sempre e sempre, mais e mais. Sobre tudo e sobre qualquer coisa. Todos os dias até o fim dos dias.

Outro dia, estava numa festa. Perguntei a um rapaz espanhol se ele queria conhecer o meu amigo. "Não, ele não faz o meu tipo", disse. Fiquei intrigada, porque meu amigo e eu vínhamos tendo essa conversa há alguns dias. Ele diz que gosta do tipo ninfeto (rapazes mais jovens, sem ou com pouco pelo). Eu respondia que jamais usaria essa desculpa, de que a pessoa não faz o meu tipo, para não conhecê-la.

Como o Literal começou, nós já te contamos. Aqui e aqui. Todas as terças, sextas e domingos, publicamos textos novos na eterna busca de compreender nosso lugar no mundo – real e das palavras. Até o momento, apenas em duas seções: Literal (o literal do Literal) e Uma Palavra sobre Palavras (comentários e percepções sobre produtos culturais: livros, filmes, músicas etc.).

Quantas histórias são ditas em pouco mais de três minutos? O professor Felipe Pena, no livro "Jornalismo literário" (Contexto, 2011), diz que nenhuma reportagem, por melhor que seja, se perpetuará tão bem no imaginário popular quanto uma música.

"A escrita é, no dias bons, uma seta de longo alcance - ilumina (ou consola, ou desperta) almas desconhecidas. Mas quase sempre assusta e afasta os próximos, porque nasce de um poço de silêncio impartilhável."

(Inês Pedrosa)

'Precisamos pensar no nome do nosso filho!'
'Ah, eu pensei em algumas coisas com Literal, Literatura, Litera.'
'Hum...eu gosto de Literal. Mas só Literal?'

"(Feminista) é uma palavra que tem sido demonizada. Talvez esteja na hora de pegá-la de volta e fazer dela o que realmente é: ligada a direitos humanos, justiça, igualdade para homens e mulheres - o que inclui mulheres de todos os lugares do mundo."

"Partner, aquele plano deu certo!"
"Jura?! Pegaaaa!!! Uhuuuul"
(Seguem cinco áudios de pura gritaria e festejos)

- Quando foi que tu soubeste que gostavas de homem?
- Quando foi que TU soubeste que gostavas de homem?

Dizem que amigo é irmão; que amigo é amor. Tenho cá pra mim que amigo é bênção grande demais para caber num substantivo.
Amigo é verbo de ação, porque te coloca em momento. Mas, também, pode ser verbo de ligação - ou de digitação, já que estamos em tempos de WhatsApp.

2014, ano em que SP enfrentou a maior crise hídrica do país.

2015, acidente ambiental em Mariana.

2017, EUA abandona o Acordo de Paris.